• Alice Selecta

    On: 07/07/2016
    In: Cidade Pre0cupada, Concertos
    Views: 0
     Like

    djing Alice Selecta
    8 julho | Convento de S. Francisco| 01:00

    selectaEcletica por natureza e festiva por convicção, Alice Selecta é uma das forças guia por trás da cena world music DJ em Portugal. O mundo inteiro cabe nos seus sets! Puro Worldbeat.

    Do coração da musica Colombiana

    From the heat of Cumbia music in its traditional or digital form, to African rhythms, Bossa Nova, Samba, Balkan music, even reggae, dub and electro-swing.
    A journey round the planet and through the typical music of all the peoples in a pure or fused state.
    A homage to the roots, the dance and the party in itself.
    From India to Brazil, through Africa and Eastern Europe, all the way to the remixes of Colombian cumbias and the tango revival.
    An impromptu, feeding off the energy and the magic that grows between the public and herself.

    + MIXCLOUD +

    + FACEBOOK +

     

    + informação
  • Monkuti Orchestra

    On: 07/07/2016
    In: Cidade Pre0cupada, Concertos
    Views: 0
     Like

    concerto Monkuti Orchestra: Afrobeat Voudoun
    8 julho | Convento de S. Francisco| 23:30

     

    monkuti_2As polirritmias do Benim associadas às melodias celestes do Afrobeat Nigeriano.

    Os “enfants terribles” do Afrobeat Parisiense estão de volta a Portugal depois de um inesquecível concerto no Festival Cidade Pre0cupada e “Bairro Intendente” em 2014. Dois anos passados e Monkuti retorna com o couro endurecido e um Afrobeat inovador.

    Através da reinterpretação do repertório der Fela “Anikulapo” Kuti – este génio musical nigeriano, a banda desenvolve uma arte única, forte e fresca.

    O Afrobeat é a arma do futuro profetizava Fela. Uma mensagem mais que actual, e que faz Monkuti levar o genero a outros territórios e sonoridades, sempre em ligação com o conceito original.

    As primeiras composições do grupo vão beber ao solo de África, é essa a sua raiz, algures por entre os reinos dos Egungun no Benim. Inspirado pela polirritmia da cerimonia tradicional voodoo, a sua música evoca os espíritos numa atmosfera hipnótica, onde soprando se canta livremente. O espírito de Monk nunca está longe; “Monk, Monkuti” … O resultado é um improvável estilo onde os aficionados de um jazz de alta voltagem, e os adeptos do Afrobeat podem-se encontrar em alegria e transe.

    monkuti_1Se este grupo se distingue pela sua precocidade e recepção calorosa do publico, é pela recepção dos “padrinhos” do Afrobeat que se revela a verdadeira especificidade Monkuti. Como verdadeiros pupilos dos “irmãos mais velhos” Nigerianos, , os músicos de Monkuti puseram-se em contacto direto com os antigos companheiros exilados de Fela Kuti. Os integrantes do grupo tocaram diversas vezes com Tony Allen, Dele Sosimi, Kiala N’Zavotunga, Chief Udoh, Muyiwa Kunniji, Kologbo, Chief Udoh, Check Tidiane Check etc. Indubitavelmente, a música que aqui se apresenta bebe desses encontros.

    Assim, Monkuti veio a tornar-se num dos grupos mais ativos da cena Afrobeat parisiense. Com um vasto repertório e muita autenticidade, Monkuti cativa um público cada vez mais apaixonado.

    “These Monkuti Guys are for real! Fresh take and direction with lots more to unfold. Don’t miss any chance to catch them live. I will be collaborating with them soon”.

    Dele Sosimi

    (Teclista Dele Sosimi Afrobeat Orchestra, orquestrador dos Fela Kuti Egypt 70, Femi Kuti Positive Force ).

     

    + informação
  • Mesa Posta

    On: 07/05/2016
    In: Cidade Pre0cupada, Outros Eventos
    Views: 0
     Like

    Ruínha | 18:00 | 10 Julho 

    Os moradores da Ruínha trazem a mesa para a rua e convidam:

    vem partilhar à nossa mesa!

    Traz os filhos, os avós, a voz e um pestisco para a mesa.

    0a189786-ee0f-4754-8f13-3cde2cf1d9a0

     

    + informação
  • Holding it Together

    On: 07/02/2016
    In: Cidade Pre0cupada, Espectáculos
    Views: 0
     Like

    dança/instalação Holding it Together
    1 julho | Convento de S. Francisco | 22:00
    8 julho | Convento de S. Francisco | 22:30

    holdingHolding it together é uma performance instalação que investiga as expectativas construídas na intrínseca relação entre visão e corpo. A partir de acç?es específicas, Kaufman e Tonguz convidam-nos a  uma dinâmica cúmplice que envolve risco, intimidade e uma negociação constante do espaço e dos seus limites.

     

    Holding it together é uma co-criação de  Daria Kaufman (bailarina / coreógrafa), Francisco Pinheiro (artista plástico) e Sezen Tonguz (performer / coreógrafa).

     

    Conceito:: Daria Kaufman, Francisco Pinheiro, Sezen Tonguz
    Coreografia,interpretação: Daria Kaufman, Sezen Tonguz
    Instalação, cenografia: Francisco Pinheiro
    Apoio a dramaturgia: Ana Trincão
    Residências: DEVIR/CaPa, Atelier Concorde, Polo Cultural Gaivotas, ÇATI Contemporary Dance Artists Association.
    Holding it together foi apoiado pela Fundação Calouste Gulbenkian, Fundação GDA e European Cultural Foundation.

     

    Daria Kaufman
    Francisco Pinheiro
    Sezen Tonguz

    + informação
  • Los Empty Heads & Xoto

    On: 07/02/2016
    In: Residências
    Views: 0
     Like

    concerto Los Empty Heads & Xoto
    8 de julho | Convento S. Francisco | 21:30

    los empty headsFusão entre rock stoner com rap interventivo. A atitude é de rua, sem papas na língua nem paninhos quentes. As nossas músicas voam entre a raiva e o amor, reflexo das nossas vidas, batalhas e sonhos. Convidamos todos e todas a virem questionar e sentir o mundo ao nosso lado. Atenção, “para veres a verdade tens que ser verdadeiro”. -KRS’

     

     

    + informação
  • Laboratório Matriz

    On: 07/02/2016
    In: Cidade Pre0cupada, Oficinas
    Views: 0
     Like

    Oficina Laboratório Matriz
    7 e 8 julho | Convento de S. Francisco | 14:00 às 20:00

    matrizAo longo de 2 dias pretende­se criar um espaço de trabalho em que se vão discutir, planear e executar novas ideias para utilização do software MATRIZ. Pretende­se que este laboratório seja um espaço de experimentação num contexto mais relacionado com o soundscape e artes sonoras.

    Propomos aos participantes a utilização do sistema para captar, em tempo real, elementos de várias paisagens sonoras dos diferentes espaços do convento de São Francisco. As diferentes captações serão combinadas numa transmissão radiofónica em direto na stress.fm.

    Ao longo deste momento esperamos partilhar as experiências e os resultados da investigação que levaram à construção do software MATRIZ (que ferramentas foram usadas que linguagens de programação etc.) e do hardware onde o mesmo é atualmente usado (r aspberry pi, placas de som, etc.).

    NÚMERO DE PARTICIPANTES: máximo 6 pessoas

    + Projeto MATRIZ +

    + informação
  • TURDORODABOTAFORA

    On: 07/02/2016
    In: Cidade Pre0cupada, Exposições
    Views: 0
     Like

    Exposição TURDORODABOTAFORA
    6 julho | Galeria Municipal | 21:30

    oficina araraA Exposição TUDORODABOTAFORA resulta da oficina homónima que acontece no âmbito da Cidade Pre0cupada nos dias 2 e 3 de Julho que conta com a orientação da Oficina Arara. Contará com posters e ilustrações realizadas por diversos autores no âmbito da Oficina.

    + Oficina Arara +

     

    + informação
  • MANHOLE

    On: 07/02/2016
    In: Cidade Pre0cupada, Espectáculos
    Views: 0
     Like

    performance MANHOLE
    6 julho | Galeria Municipal | 22:00

    manholeInterpretes: Ece Canli e Nina Jeppsson

    A palavra MANHOLE em inglês significa “um pequeno buraco coberto por uma área pavimentada permitindo atravessar por baixo, especialmente um buraco que conduz a um esgoto”. É uma porta que drena os excrementos, a urina e a sujidade das massas e esconde-os no subsolo. Por meio dela, a superfície, a fachada do mundo parece suave e limpa, e a merda permanece invisível.

    Ao mesmo tempo, MAN HOLE é o próprio mundo, um vórtice de lavar a porcaria enquanto faz merda fora dos “outros”. É esse buraco que tornou Aileen Wuornos num serial killer lunático, Valerie Solanas numa prostituta louca, e ambos num legado de Hollywood. É um lugar de segregação, assimilação, opressão e ilusão. Cria loucura e trauma. Ele unifica as subjetividades numa entidade e impõe uma certa verdade. Ele gera traumas e faz com que goste dele, que fique viciado nele. Leva o teu passado e presente embora e faz-te viver num futuro que nunca mais chega.

    No entanto, ele silencia as vozes vindas do subsolo.

    Esta performance é a manifestação do MAN HOLE, uma tentativa de abrir a porta do MANHOLE. É para criar outros buracos dentro deste vórtice, para encontrar formas de escapar através de vozes silenciadas.

    Com os métodos de localizar a voz no próprio corpo e no dos outros (corpo dos artistas e do público), destina-se a lidar com os traumas incontroláveis e muitos tons diferentes de emoções, trazendo a vida de todas aquelas loucas e lunáticos, assassinos, suicidas, escondidos e perdidos. Pretende-se perturbar e enganar o tempo e espaço deste buraco.

    Matar o passado, matar a nossa história, como um suicídio. Matar o futuro por nascer. Ao contrario do lema neoliberal “encontrar-se”, esta peça é esquecer o eu, fragmentar o auto em vários pedaços e personalidades, em muitas sombras através do passado, presente e futuro.

    A performance pretende funcionar como um lugar para a voz incorporada, como um meio para uma trip coletiva.

    + TIRGARDEN +

     

    + informação