• International Clown Summer Lab

    On: 07/29/2019
    In: Oficinas, Residências
    Views: 0
     Like

    International Clown Summer Lab in Portugal with Tom Roos

    De 29 de Julho a 9 de Agosto 2019

    Oficinas do Convento

     

    PrintEstá a decorrer o International Clown Summer Lab na Oficinas do Convento até ao dia 9 de Agosto. Este encontro é dirigido a palhaços, actores, bailarinos, professores…., quem quiser aprofundar a sua presença humana para uma audiência. As sessões decorrem de manhã e durante a tarde, os participantes têm tempo para pesquisar e trabalhar juntos em pequenos grupos. A noite fica reservada para o convívio e partilha de ideias.

     

     

     

    + informação
  • Pre0cupada Programa Completo

    Pre0cupada 2019

    De 12 a 21 de Julho 2019

    Montemor-o-Novo | Casa Branca

     

    O evento Pre0cupada propõe “ocupar” e dinamizar a cidade de Montemor-o-Novo e a localidade de Casa Branca, com novos e diferentes projetos nas mais variadas áreas de criação artística contemporânea, trazendo para o exterior o legado da Oficinas do Convento.
    Pela primeira vez, o evento rompe com os limites da cidade de Montemor-o-Novo! Casa Branca está em destaque nesta edição devido ao seu potencial. Uma antiga aldeia ferroviária, localidade estereótipo da desertificação do Alentejo, com estruturas, escolas e casas desabitadas, com ligação a Lisboa, Évora e Baixo Alentejo, e num concelho com massa crítica disposta a construir um centro de criação. Este é o mote para este evento que agora se reinventa.

     

    Programa completo:

    Montemor-o-Novo

    2web12 de Julho:

    Oficina de Streaming

    Oficina de Videomapping

     

    13 de Julho:

    Siga! Oficina de Placas de Sinalização

    Exposição OCT 2018-2019

    Concerto Mazarin

    Concerto Don Pie Pie

    Performance DJ/VJ Fiestaylers

     

    De 15 a 19 de Julho:

    Oficina Instrumentos Utópicos

     

    Casa Branca

    1web

    18 de Julho:

    Cinema Heritales – International Heritage Film Festival

    19 de Julho:

    Oficina Serigrafar um Livro

    Acção + Exposição O Desenho nas Paredes

    Inauguração da Exposição Não Há Casos em Branco

    Concerto Toma Lá Jazz!

    Oficina Construir um Formigueiro

    Acção + Exposição Wearing Bricks – A Body Landscape

    Concerto Ruído Vário

    Concerto Montanhas Azuis

    20 de Julho:

    Oficina Serigrafar um Livro

    Oficina Próxima Paragem: Casa Branca

    Conversas à Volta da Sustentabilidade

    Jogos Tradicionais pela Associação de Amigos Unidos pelo Escoural

    Oficina Desenhar com a Fuligem

    Concerto Royal Bermuda

    Concerto La Miseria Deluxe

    Concerto João Berhan

    Concerto Rosa Mimosa y sus Mariposas

    Performance Dj Selecta Alice

    21 de Julho:

    Círculo de Ideias para Casa Branca

    Concerto Bantabaa

    Concerto Adufe Lisboa

    Exposições Permantes

    expoCB

    + informação
  • Dança de Materiais Inertes

    On: 06/13/2019
    In: Espectáculos, Residências
    Views: 0
     Like

    Espectáculo/Instalação “Dança de Materiais Inertes”

    15 de Junho 2019 | 21h

    Oficinas do Convento

    cartaz inertes tourNo dia 15 de Junho Marta Cerqueira e Simão Costa apresentam o espectáculo/instalação “Dança de Materiais Inertes”, um projecto desenvolvido em residência na Oficinas do Convento com a sua estreia marcada para esse dia.

    “Dança de Materiais Inertes” é uma criação de Marta Cerqueira e Simão Costa.
    Um olhar coreográfico, cinético e musical sobre coisas inertes.
    Marta Cerqueira e Simão Costa são presenças assíduas nos palcos nacionais e internacionais como interpretes e criadores/ co-criadores, tanto a solo e em nome próprio como em colaboração com outros artistas.
    Bailarina e pianista, ambos com formação de base clássica, partilham também um percurso caracterizado por múltiplas colaborações com outros criadores, juntando nas suas carreiras experiências de interpretação e/ou criação nas quais se incluem interacções com outras áreas como o cinema, artes visuais, teatro, novo circo, arquitetura.
    O trabalho desta dupla explora uma transdisciplinaridade profícua e uma certa dose de obsessão pelo rigor e detalhe.
    Deste modo “Dança de Materiais Inertes” explora as fronteiras do trabalho com o som e com o movimento. Investiga as dimensões em que o Som é Movimento e o Movimento é Som, criando danças em que os “bailarinos” por vezes são inertes e em que o seu ânimo e o movimento causado pelo som de altifalantes e pelo impacto destes no corpo.

     

    + informação
  • Residência Dança de Materiais Inertes

    On: 04/22/2019
    In: Residências
    Views: 0
     Like

    Residência Artística Danças de Materiais Inertes

    De 19 a 22 de Abril, Simão Costa e Marta Cerqueira vão estar em residência da Oficinas do Convento a desenvolver o seu projecto “Dança de Materiais Inertes”.

    _MG_5743Dança de Materiais Inertes é uma colecção de peças que tem início em 2016.
    #1 Vento | #2 Placas Tetónicas | #3 MOVEDIÇO | #4 Ar
    Tem como premissa geral compor roteiros de movimentos que compõem uma dança, usando o som como precursor, ou seja som que percute e gera movimento.
    Nasce da vontade de contemplar. De observar a realidade como se de um espetáculo se tratasse. Olhar para as coisas inertes e ver nelas vida, sempre que há nelas movimento. Reflete poeticamente sobre a influencia mecânica do homem e suas máquinas sobre o planeta. Deste modo é sobre a poeira, o cosmos, o mar, o vento, o plástico, sobre todas as partículas micro e macro.

    Dança de Materiais Inertes é uma criação de Marta Cerqueira e Simão Costa.
    Um olhar coreográfico, cinético e musical sobre coisas inertes.
    Marta Cerqueira e Simão Costa são presenças assíduas nos palcos nacionais e internacionais como interpretes e criadores/ co-criadores, tanto a solo e em nome próprio como em colaboração com outros artistas.
    Bailarina e pianista, ambos com formação de base clássica, partilham também um percurso caracterizado por múltiplas colaborações com outros criadores, juntando nas suas carreiras experiências de interpretação e/ou criação nas quais se incluem interações com outras áreas como o cinema, artes visuais, teatro, novo circo, arquitetura.
    O trabalho desta dupla explora uma transdisciplinaridade profícua e uma certa dose de
    obsessão pelo rigor e detalhe.
    Deste modo “Dança de Materiais Inertes” explora as fronteiras do trabalho com o som e com o movimento. Investiga as dimensões em que o Som é Movimento e o Movimento é Som, criando danças em que os “bailarinos” por vezes são inertes e em que o seu ânimo e o movimento causado pelo som de altifalantes e pelo impacto destes no corpo.

    + informação
  • Residência Artística Sofia Pires

    On: 04/22/2019
    In: Residências
    Views: 0
     Like

    Residência Artística de Sofia Pires na Oficinas do Convento

    sofia piresDe 22 de Abril a 1 de Maio, a Oficinas do Convento recebe Sofia Pires, que estará em residência no Convento de S. Francisco a concretizar a fase de edição da sua curta-metragem “Sines ou a amizade, aos papéis”.

    O seu trabalho circula entre a colagem, a fotografia e a imagem em movimento. Neste momento, Sofia Pires encontra- se em processo de produção de um filme rodado – como um conjunto de fotografias em película de 35mm – durante um fim de semana, na edição do ano passado do Festival Músicas do Mundo em Sines. Esta curta- metragem é uma espécie de álbum em movimento a partir de um fim de semana de Verão onde três velhas amigas se (re)descobrem suspensas e em transição para a idade adulta.

    + informação
  • Tradição >< Contemporâneo

    On: 04/15/2019
    In: OCT, Residências
    Views: 0
     Like

    Tradição >< Contemporâneo

    Programa de residências artísticas para criadores da Região

    – Alentejo –

    Artes plásticas: Cerâmica, Terra e/ou novos media

     

     

    cartaz-residencias-locais1Enquadrado pelo programa quadrienal Técnica, Artes e Lugares, A Oficinas do Convento abre em 2019 possibilidade de novas relações potenciando-as através de uma bolsa anual para a produção artística regional.

    Através deste concurso anual, a OC com os seus recursos técnicos permitirá o desenvolvimento de um projeto em residência artística dirigido a jovens criadores residentes no Alentejo.

    Pretende-se potenciar a aproximação entre a comunidade jovem artística e a OC, disponibilizando recursos e aprendizagens como forma de desenvolvimento do seu trabalho.

    Em 2019 a OC lança pela segunda vez o concurso tendo como tema a Tradição e Contemporâneo.

    Pretende-se desafiar, artistas, designers e arquitetos, para a criação de obras que contribuam para um processo continuado de reinterpretação, cruzamento e inovação de técnicas.

    Dar-se-á relevância a propostas a desenvolver em regime de Residência que tenham preferencialmente referências à região, património histórico e natural, cultura local e recursos e que contemplem modos de produção tradicional bem como “novos media”, refletindo a sua atualização na metodologia e na forma.

     

     

     

     

     

     

    Objectivos

     

    Potenciar a criação de jovens artistas regionais, através de um processo formal que lhes permite beneficiar dos recursos locais.

    Estreitar relações com a comunidade artística jovem regional;

    Promover a criação artística e produção de projetos inovadores revitalizando as técnicas tradicionais e artesanais;

    Apoiar criadores emergentes da nossa região;

    Potenciar a interação entre a produção artística e a comunidade local, contribuindo para a promoção dos recursos naturais, culturais e económicos da região;

    Contribuir para o desenvolvimento de processos participativos promovendo o envolvimento da população;

    Aproximar os cidadãos das práticas artísticas contemporâneas. Valorizar a cultura local promovendo o desenvolvimento sócio cultural e a criação de objetos com valor poético.

    Regulamento

    Ficha de Inscrição

    + informação
  • Open Call for Artistic Residencies – Tijolo |Brick

    On: 04/15/2019
    In: Noticias, OCT, Outros Eventos, Residências
    Views: 0
     Like

    (please scroll down to read in English)

     

    PT//

    residencia-tijolo-2019-pt Tijolo | Residências Artísticas

    CONCURSO PARA RESIDÊNCIAS ARTÍSTICAS NA OFICINAS DO CONVENTO

    Candidaturas abertas até dia 15 de Abril 2019

    Duração da residência: 1 mês

    Enquadrado pelo programa quadrienal Técnicas, Artes e Lugares, A Oficinas do Convento abre em 2019, pela segunda vez, um Concurso para Residências Artística na Oficinas do Convento tendo como mote o Tijolo enquanto elemento base para a criação artística.

    CONTEXTUALIZAÇÃO

    Fabricado e utilizado por todas as culturas do mundo, o tijolo é um objecto intemporal, de formatos e dimensões relativamente regulares, porém de uma diversidade que condiz com as diferenças culturais existentes. De fabrico antigo ou moderno, a sua prevalência social torna também visível a identidade existente entre os homens.

    Os tijolos produzidos no Telheiro da Encosta do Castelo, Montemor-o-Novo, são de influência medieval, proveniente ainda da tradição romana e bizantina[1]. De uma constituição arenosa, feitos de uma pasta de argila, terra e água, numa consistência próxima à da lama, os tijolos apresentam aspecto maciço e evidenciam a manufactura artesanal, pelas marcas da mão inscritas na superfície. Sendo de produção antiga, os tijolos têm também a característica de fazerem parte da imagem das construções vernaculares do Alentejo. No entanto, a propósito dos cruzamentos disciplinares desenrolados pelas Oficinas do Convento e o contexto artístico onde se insere a associação, pretende-se fomentar a utilização do tijolo na criação artística e valorizar os recursos existentes no Telheiro da Encosta do Castelo, quer no âmbito da produção de materiais de construção, quer no âmbito do apoio à criação artística, propondo assim a realização de residências na área artística que tenham o tijolo como base para a criação.

     

    Aqui, o tijolo, além de poder ser pensado na sua dimensão mais imediata — objectual e construtiva — evidenciando aspectos de produção, formação, conformação ou aplicação, poderá ser considerado também na sua vertente poética, social, histórica ou cultural.

    Tais âmbitos de abordagem poderão ser explorados em diferentes linguagens da criação — escultura, instalação, vídeo, fotografia, desenho, entre outros — cruzando ou tocando casualmente as fronteiras da arquitectura e do design.

    Sem desmerecer ou preterir a elaboração de esculturas de índole objectual, no caso de projectos de maior escala, dar-se-á prioridade a propostas de carácter efémero, processual ou de índole colaborativa que resolvam, neste último caso, eventuais questões práticas da cidade.

    APRESENTAÇÃO BREVE

    O tijolo pode ser pensado e usado na sua dimensão mais imediata — objectual e construtiva — evidenciando aspectos de produção, formação, conformação ou aplicação ou ser considerado na sua vertente poética, social, histórica ou cultural, explorando a diversidade e as potencialidades formais e conceptuais do tijolo, através de diferentes linguagens da criação.

    Assim, este concurso destina-se a autores das seguintes áreas:

    • artes-plásticas: escultura e/ou pintura
    • arquitectura
    • cerâmica
    • desenho
    • design
    • escrita
    • fotografia
    • instalação
    • vídeo

    [1] FRÓIS, Virgínia, SILVA, Vasco Fernando Dias, Realibitação de um Telheiro em Montemor- o-

    Novo, In ArteTeoria, Revista do CIEBA – Centro de Investigação e de Estudos em Belas-Artes –

    Secção Francisco de Holanda, no 14/15, 2011/2012, Lisboa, p. 101.

    Regulamento

    Ficha de Inscrição

     

    EN//

    residencia-tijolo-2019-engBrick | Artistic Residencies

    Open Call for Artistic Residencies in Oficinas do Convento

    Last day for the applications is on the 15th of April 2019

    These Artistic Residencies are part of the program “Técnicas, Artes and Lugares”, the project,opens, once again, in 2019, an open call for Artistic Residencies in Oficinas do Convento having as a motto the Brick as a basis element for artistic creation.

    Contextualization

    Manufactured and used by all of the cultures in the world, the brick is a timeless object, with relatively regular formats and dimensions, nevertheless of a diversity that matches with the existing cultural differences. From old or new manufacture, its social prevalence gives visibility to the existing identity between men.

    The bricks produced in Telheiro da Encosta do Castelo, Montemor-o-Novo, are of medieval influence, stemmed from the roman and byzantine traditions. From a sandy composition, made from a clay paste, earth and water, in a consistency similar to the mud, the bricks present a solid aspect and highlight the manual manufacture by the hand marks on its surface. Being of old production, the bricks are also part of the vernacular constructions of Alentejo. Nevertheless, as a result of the disciplinary intersections developed by the Oficinas do Convento and its artistic context. It is investigated the use of brick in the artistic creation and to value the existent resources in Telheiro da Encosta do Castelo, in a material production context and as a support for the artistic creation.

    Such contexts of approach can be explored in different languages of creation – sculpture, installation, video, photography, drawing, and more – crossing or touching in a casual way the borders of architecture and design.

     

    Application Process

    The main aim of Brica-Artistic Residencies is to think and explore this product in its most immediate dimension – objective and constructive – highlighting the production aspects, formation, conformation or application, or in its poetical, social, historical or cultural aspect, exploring the diversity and the formal and conceptual potentialities of the brick, through different languages of creation.

    Therefore, this call is destined to artistic proposals in the following areas:

    • Plastic arts: sculpture and/or painting
    • Architecture
    • Ceramics
    • Drawing
    • Design
    • Writing
    • Photography
    • Installation
    • Video

    Regulation

    Application Form

     

    + informação
  • Residência Artística “Terra”

    On: 04/15/2019
    In: OCT, Residências
    Views: 0
     Like

    Tiago Canário, o vencedor da segunda edição do concurso de Residências Artísticas Tradição><Contemporâneo vai desenvolver o seu projecto “Terra”, na Oficinas do Convento, durante o mês de Agosto 2019.

    tiago canario 1Este projecto foca-se na exploração da terra como matéria que define e transmite carácter. Uma reflecção que visa destacar a o solo enquanto elemento de pureza e naturalidade. Através de uma materialização que propõem uma colecção de objectos que mostre na sua matriz uma influência direta com o solo. Quer a nível visual, formal ou processual.

    Para isto, esta materialização propõe uma colecção de objectos que utilizem o solo com agente deformador. Uma série de peças cerâmicas, construídas numa pasta criada a partir da extracção directa de terra argilosa. Promovendo assim uma peça cuja morfologia defina esta relação com o
    solo.
    A estas peças cerâmicas são aplicadas tipologias que utilizam o solo como agente deformador. Procurando que a peça não só seja constituída por este elemento, mas que toda ela, incluído a sua forma seja directamente obtida e influenciada pelo solo. Que o objecto seja ele também desenhado pela sua matéria. Para isto os processos de deformação, focam-se principalmente em duas tipologias. A deformação directa através de um soterramento das peças, e a transformação das peças através de um aluimento com o solo (a forma obtida através do impacto com o solo).

    Estas tipologias vão assim ser aplicadas às peças cerâmicas, cujo a forma original pré-deformação procura remeter as técnicas e formas típicas e
    tradicionais da cultura cerâmica no Alentejo. Tornando estes processos como um movimento de trazer as formas típicas da cerâmica tradicional
    (principalmente utilitária alentejana), para o contexto actual, contemporâneo. Por exemplo na tipologia que transforma as peças através de um soterramento.
    O desenterrar é quase metaforicamente o movimento de trazer de volta estas peças para o contexto atual. Numa peça influenciada pelo passado. Mas que vai estar deformada e transformada, o actual/ futuro. Devem reflectir não só a sua origem a sua relação com o solo, mas também um cruzamento entre o factor tradicional e o contemporâneo.
    Um factor inerente a este projecto e processo de exploração e a sua documentação, o registo como ferramenta construtiva e principalmente de comunicação do projecto á comunidade. É inerente ao projecto o factor social, interligado ao passado principalmente no que diz respeito à tradição cerâmica da região. Face ao contexto actual e
    presente da matéria. É importante assim que este projecto bem como a exploração, esteja ligada á população regional. Quer seja nas técnicas tradicionais, mas principalmente na comunicação e na sensibilização. Talvez passando por um trabalho inclusivo com a população por exemplo no processo de deformação. Ou pelas tipologias dos objectos cerâmicos obtidos, por exemplo a relação destes com a gastronomia. Permitindo assim uma abordagem directa entre o objecto e o utilizador.

    + informação