• Granular Bastards na Oficinas do Convento

    On: 09/06/2022
    In: Concertos
    Views: 0
     Like

    Concerto Granular Bastards

    28 de Setembro 2022| 21h30

    Oficinas do Convento, Montemor-o-Novo

    Concerto: 5€ (contribuição para o artista)

    cartaz-granularGranular Bastards apresentam TACIT GROUND

    “Tacit” (tácito, em português) significa o que não é dito, o que não se descreve – como o conhecimento exigido para andar de bicicleta. […] O pensamento emerge do solo tácito. Por isso, se comunicamos a um nível tácito, talvez o pensamento esteja a mudar. O processo tácito é comum. É partilhado.  –  Bohm, David

    O texto inspirador de David Bohm sobre o diálogo, revela a noção de um conhecimento tácito que define os nossos pensamentos e ações. A natureza destas sessões de improviso de
    Albert Cirera e Valeria Miracapillo baseiam-se no “não falado”. Aqui, o que é tácito surge através do som. Vozes cruas e nuas da pele do instrumento. O saxofone ativa objetos vibrantes no seu corpo. Transientes monótonos, latas metálicas ressonantes, períodos assíncronos e densidades caóticas, nada vai suavizar as fricções do pensamento na sua tentatriva de coerência.

    Albert Cirera:

    Com mais de 30 gravações nos últimos 5 anos, Albert Cirera é um dos mais ativos e versáteis saxofonistas da Península Ibéria, no cenário do free jazz e avantgarde. Viveu 10 anos em Barcelona, onde cresceu enquanto músico ao tocar com Agusti? Fernandez, Ramon Prats, Vasco Trilla, Jordina Milla? e Massa Kamaguchi. Depois 5 anos em Lisboa, onde se consolidou como músico criativo, tocando regularmente com João Lencastre, Carlos Zingaro, Gabriel Ferrandini, Hera?nin Faustino e Abdul Moaimem. Viveu depois 2 anos em Copenhaga, onde estudou na RMC e tocou com Kresten Osgood, Henrik Olsson, Hakon Berre, Aurelijus Uz?ameckis. Entre outros, também tocou com Barry Guy, Andy Moor (the Ex), Joe Morris, Ernesto Rodrigues, Nu?ria Andorra?, Nicolas Field, Florian Stoffner, Silvia Bologniesi, Hugo Antunes, Massa Kamaguchi, David Mengual, Paula Chocron, Don Malfon, Witold Olszak, Nuno Rebelo, Rafal Mazur, Ferran Fages.

    Valeria Miracapillo:

    Compositora do Rytmisk Musikkonservatorium em Copenhaga, Valeria tem sido muito inspirada por um contexto de apoio mútuo e de colaboração dentro do panorama local experimental. Ao combinar a experiência que surge dos estudos de filmes e artes eletrónicas, a artista está agora focada em construir uma rede interdisciplinar para crescer enquanto artista independente que se apercebeu da importância da prática enquanto base da comunidade. Além de compor para filmes e teatro, Valeria está ainda envolvida em projetos como The Strangement Society realizado por Miguel Crozzoli, Tacit Ground – dueto improvisado com o saxofonista Albert Cirera, uma nova colaboração com o violinista Dimos Vryzas e o seu histórico duo eletrónico Canyf. Valeria trabalha agora na obra “Cognitive Failure”, uma peça de percussão e eletrónica, recentemente apresentada no Inter Arts Center of Malmo? por Irene Bianco na percussão, e por Domenico Villani na eletrónica.

     

    + informação
  • a urtiga na Oficinas do Convento

    On: 07/18/2022
    In: Concertos
    Views: 0
     Like

    Concerto a urtiga na Oficinas do Convento

    22 de Julho 2022 | 21h30

    Oficinas do Convento, Montemor-o-Novo

    5€ (contribuição para os artistas)

    aurtigaa urtiga
    planta de má fama por se reproduzir livremente em campos de cultivo (como disso atesta a expressão popular pejorativa “vai às urtigas”), diz-se da urtiga que é um alimento completo, rico em vitaminas e minerais, que serve de remédio para uma panóplia de maleitas tais como: anemia; fadiga; doenças de fígado e rins; problemas diuréticos; dores reumáticas e articulares; problemas de pele; queda de cabelo; resfriados; doenças respiratórias; etecétera etecétera etecétera . em caso de descuido no manuseamento, pica.
    sobre o grupo
    dois jovens conhecem-se e coabitam em évora – onde foram sujeitos a um processo de formatação musical académica do qual se tentam agora libertar – sob o lema“és um beat, ou és um beto?”.
    oito anos mais tarde, viajam de polegar ao ar no sudeste asiático, índia e nepal durante quatro meses e meio. tendo a amizade sobrevivido a esta provação, percebem que esta será para a vida.
    juntam-se novamente a pretexto de algumas canções munidos de vozes, uma viola braguesa, uma ou duas guitarras clássicas, um ukelele e o que mais vier à mão.

     

    Ouve aqui

    + informação
  • Pablo Vidal na Oficinas do Convento

    On: 06/29/2022
    In: Concertos
    Views: 0
     Like

    Concerto Pablo Vidal na Oficinas do Convento

    9 de Julho 2022 | 21h30

    Oficinas do Convento, Montemor-o-Novo

    Concerto: 5€ (contribuição para o artista)

    poster-pablo

    Sobre o artista:

    Nasceu em Buenos Aires Argentina em 1970. Estudou guitarra clássica, mais tarde guitarra Rock/Blues. Passou por vários projetos desde o rock ao punk . Em 1995 formou-se em Musicoterapia. Desde 2001 reside em Évora onde realizou diversos trabalhos com músicos locais e músicos da Extremadura (Badajoz). Realizou a música do espetáculo de Dança  “Inclusiva InclusivÉ” , músicas para Teatro do espetáculo «Descartável» de Diogo Duro em 2019.

    Cantor do quinteto de Tango Funyi Fane no festival artes à Rua de 2019, autor da música do espetáculo “Dona Europa” estreado em 2021. Dinamiza atividades no “Projeto Portadores de arte”.

    As composições de Pablo Vidal são originais, um híbrido de diversos estilos, que podem soar a rock, reggae, dub, punk, tango, mas não são nem rock, nem tango, nem reggae. Plenas de originalidade e humor, são histórias breves que falam de amor, desejo, dúvidas existenciais, vivências ‘do outro lado’ do mar e saudades da terra; por elas passa também a crítica social, tudo sob o manto da boa poesia. Em definitivas músicas sem fronteiras.

    Os concertos são ecléticos em estilos, climas e ritmos vão crescendo na intensidade de canção a canção, com a particularidade que o público vai entrando aos poucos, cantando ou dançando com um final sempre em alto.

    + informação
  • PRE0CUPADA

    site banner

    Pre0cupada 2022

    De 15 a 26 de Junho 2022

    Montemor-o-Novo | Casa Branca

    Depois da última edição da Pre0cupada em 2019, a Oficinas do Convento retoma o seu evento anual multidisciplinar, com o seu conhecido propósito de “ocupar” com propostas artísticas a cidade de Montemor-o-Novo e a aldeia de Casa Branca, entre os dias 15 e 26 de Junho.

    A Oficinas do Convento, em conjunto com outras entidades, pretende convidar o público a passear entre estas duas localidades e a participar nas atividades nas ruas, jardins, praças e pátios que dão palco a este evento.

    A Pre0cupada inaugura-se em Montemor-o-Novo no dia 15 de Junho, onde fica até dia 18 de Junho. Nestes dias o Convento de S. Francisco vai ser palco para teatro e música.

    A partir de dia 19, o evento viaja até Casa Branca, onde atividades como workshops, concertos, exposições, teatro e cinema vão tomar conta da aldeia e prometem proporcionar aos seus visitantes dias de fruição cultural e partilha.

    A entrada é livre em todos as atividades.

    PROGRAMA

    programa-web copy

    MONTEMOR-O-NOVO

    15 de Junho:

    Teatro Noites Curtas | 21h | Convento de S. Francisco

     

    16 de Junho:

    Teatro Noites Curtas | 21h | Convento de S. Francisco

     

    17 de Junho:

    Teatro Noites Curtas | 21h | Convento de S. Francisco

     

    18 de Junho:

    Teatro Noites Curtas | 21h | Convento de S. Francisco

     

    CASA BRANCA

    22 de Junho:

    Sessão Cinema: Documentário “Nena” de Projeto Ruínas | 21h45 | Zona Freixo

     

    23 de Junho:

    Sessão Cinema: Mostra de Filmes Heritales – International Heritage Film Festival | 21h45 | Zona Freixo

     

    24 de Junho:

    Workshop de Fabricação de Vassouras e Vasculhos | 10h30 | Mercado do Escoural

    Worskhop Spatial Sound Perception | 15h | Escola Primária

    Concerto Nzungu | 18h | Escola Primária

    Concerto Indiscreet Music 2 | 19h | Escola Primária

    Performance Abismo | 21h30 | Campismo

    Concerto Acácia Maior | 22h30 | Zona Freixo

    Concerto Tanto Bate Até Que Samba | 23h30 | Zona Freixo

     

    25 de Junho:

    Passeio Silvestre | 10h30 | Ponto de Encontro: Escola Primária

    Workshop de Cianotipia | 10h30 e às 15h | Escola Primária

    Workshop De Cá Para Lá | 11h | Escola Primária

    Escultura Participativa Aventar Gráfico | 15h | Largo da Estação

    Torneio de Malha | 15h | Zona Freixo

    Workshop Passeio Gráfico | 15h | Ponto de Encontro: Escola Primária

    Concerto Chica | 18h30 | Escola Primária

    Concerto BANANANA | 21h30 | Zona Freixo

    Concerto Bandua | 23h | Zona Freixo

    Dj Sims & Cachapa | 00h | Zona Freixo

    Dj set Fidju Ki Txora | 01h | Escola Primária

     

    26 de Junho:

    Workshop A terra faz a paisagem | 15h | Escola Primária

    Escultura Participativa Aventar Gráfico | 15h | Largo da Estação

    Workshop Bonecos de Meia | 15h30 | Escola Primária

    Workshop Circo colorido – actividades circenses e tecido klanza | 16h | Largo da Estação

    Conversas no Fresco – Memórias de Casa Branca | 16h30 | Lavadouros de Casa Branca

    Concerto O Lado de Dentro | 18h | Zona Freixo

    Concerto Grupo Paz e Unidade | 19h | Zona Freixo

     

    EXPOSIÇÕES

    “Linhas de Fuga” de Paulo Morais, Pedro Neto e Ricardo Falcão. | De 23 a 26 Junho | Zona Freixo

    “De Cá Para Lá” de Pó de Vir a Ser e Oficinas do Convento | 23 Junho a 2 Julho | Mercado Escoural | Das 9h às 20h

    “I will stuff myself with tulips” de Inês Ferreira | De 23 a 26 Junho | Zona Freixo e Junto à Escola Primária

    “Casa Branca: Da Estação Ferroviária à Aldeia das Artes”  do Departamento de Arquitetura da Universidade de Évora | De 23 a 26 Junho | Zona Freixo

    “Silvestre” de Bruno Caracol | De 23 a 26 Junho | Zona Freixo

    + informação
  • Ryskinder

    On: 04/29/2022
    In: Concertos
    Views: 0
     Like

    Concerto Ryskinder

    6 de Maio 2022| 21h30

    Oficinas do Convento, Montemor-o-Novo

    Concerto: 5€ (contribuição para o artista)

    Jantar + concerto: 12€

    Reservas para comunicacao@oficinasdoconvento.com 

     

    ryskinerCom um uso único de samplers e efeitos vocais, Ryskinder (Asaf Eden & Miho Shimomura) toma o Médio Oriente e coloca-o numa betoneira com Nintendo e xamanismo, fundindo electrónica experimental, Punk Attitude, Hip-Hop beats e Warm Psych rock groove.

    Os espectáculos ao vivo Ryskinder são uma viagem hipnótica a um universo surreal, de fala hebraica, no qual uma variedade de áudio selvagem, sub-bases e tambores tribais constantemente se cristalizam em canções pop e depois caem no caos.

    Tendo feito uma extensa digressão pelo Médio Oriente e Europa, entre outros como apoio a “Mac De Marco”, “Dirty Beaches” e “Psychic Ills”, Ryskinder já realizou mais de 400 espectáculos ao vivo, incluindo no Festival “Synästhesie” de Berlim e no Festival “Off the Radar” de Hamburgo. Lançou 6 álbuns e um E.P em diferentes selos israelitas e europeus.

     

    + informação
  • Cabeça na Lua

    On: 04/29/2022
    In: Concertos, Oficinas
    Views: 0
     Like

    Cabeça na Lua

    28 de Maio 2022 

    Oficinas do Convento, Montemor-o-Novo

    Obrigatório reserva:

    • Workshop Circuito de Vozes
    • Concertos + Jantar

    Reservas para comunicacao@oficinasdoconvento.com

     

     

    MUTI---28th-Maio-event-artwork--poster- (2)O colectivo muti vem às Oficinas do Convento com a cabeça na lua.

    Um evento de música ao vivo que permite criar um espaço de vulnerabilidade e reflexão enquanto somos guiados numa viagem sonora por ambientes etéreos e profundos pelos artistas que convidamos a criar esta experiência, para que possamos viajar sem sair do lugar.

     

    Programa:

    Workshop Circuito de Vozes | 18h

    Este workshop é um encontro para experimentar sons usando a voz como material criativo – sons estranhos, sons sem música, sons ocultos. O próprio corpo é um instrumento musical capaz de ouvir, responder, interiorizar, gritar e calar.

    Será um momento musical onde não haverá comunicação lógico-oral. Será uma peça coletiva onde a comunicação é psíquica, improvisada, sociável e sem preconceitos.

    Esta experimentação irá decorrer numa sala separada do espaço principal do evento para garantir privacidade. A oficina não requer qualquer toque físico ou proximidade e é perfeitamente adequada para integrar crianças.

    A inscrição é obrigatória e pode fazer-se para comunicacao@oficinasdoconvento.com

    Valor por donativo consciente. O vosso apoio torna esta actividade mais possível e é apreciável o que for possível dar da vossa parte. Se não têm dinheiro convidamo-vos a participar à mesma!

    Concerto SmokedFalmon | 19h

    Nascido debaixo de uma pedra no início dos anos noventa, perdido na sua imaginação desde então.

    Manifesta-se como um projecto de música a solo onde mistura melodias de guitarra com sons etéreos e percussões electrónicas marcadas, inspirado por experiências vividas em viagens profundas dentro do reino psicadélico, encontrando assim uma forma mais directa de lidar e expressar o seu fado.

    Aqui, enquanto se moldam paisagens e ambientes sonoros que carregam em si a catarse emocional deste ser, fica o apelo à vulnerabilidade da introspecção e dá-se espaço para que nos possamos encontrar e crescer juntos.

    Ouve aqui: https://linktr.ee/smokedfalmon

     

     

     

    Concerto Madama | 21:30h

    Um projecto que nasce do choque territorial no sentido mais lato (espaço, identidade, comunidade, estado, conhecimento ou realidade). Por entre cânticos rituais e instrumentos populares, explora paisagens sonoras contínuas, maleáveis e sem lugar. E é nesta fronteira, ou ausência dela, que procura convergir conceitos que desmistificam linhas imaginárias e expõem valores universais sob a forma de som que cantam além da sua existência física.

    Tendo como premissa a transmissão de sensações e criação de atmosferas, trata os sons pelo que são.

    Ouve aqui: https://madama.bandcamp.com/releases   https://vimeo.com/455302596

     

     

     

    Concerto Puçanga | 22:30h

    Confecciona poções sonoras mergulhadas numa mistura de estilos e influências, sons bassy e eletrônicos, e uma voz lúcida. A música que compõe, produz, canta e escreve são objeto das suas vivências coletivas movidas pela força do desejo. Puçanga cria instintivamente sobre a expressão da susceptibilidade humana, a diversidade cultural, identitária e sexual através da voz e da construção de memórias eletrônicas.

     

    Ouve aqui:https://gruta-trax.bandcamp.com/album/fazer-da-trip-cora-o

     

     

     

     

    NOTA: Reserva obrigatória: 11€ (contribuição para os artistas + jantar) para comunicacao@oficinasdoconvento.com

    + informação
  • See You For Lunch na Oficinas do Convento

    On: 03/23/2022
    In: Concertos
    Views: 0
     Like

    See You For Lunch na Oficinas do Convento

    6 de Abril 2022 | 18:00

    Oficinas do Convento, Montemor-o-Novo

    Obrigatório reserva para comunicacao@oficinasdoconvento.com – 5€ (contribuição para o artista)

     

    see-you-for-lunchSee You For Lunch é uma colaboração entre Helena Espvall, Julius Gabriel e Zbigniew Kozera, que vos convida a uma projeção astral de cronoportações improvisadas através de sons folk imaginários, ritmos hipnóticos e formas de composições auditivas livres. O projeto vai começar em Abril de 2022 numa residência na Sociedade Harmonia Eborense e vai estar em tour por Portugal.

     

    Helena Espvall é conhecida pela sua participação no folk psicadélico pós-millennial, rock e cenas de improvisação livre. Com um pé da Suécia e o outro dos Estados Unidos da América, a artista criou Anahita, Fursaxa; actuou com os Espers, Charalambides; acompanhou Vashti Bunyan, Marissa Nadler e Bert Jansch, sem esquecer o seu trabalho a solo, sempre magnético ou simplesmente mágico. Ao viver em Lisboa nos últimos anos, tornou-se numa parte integral do panorama da música local, tendo trabalhado com bandas como Variable Geometry Orchestra, Lantana, String Theory e Beautify Junkyards.

    Julius Gabriel dedica-se à improvisação livre, ao noise, drones e induções trance. Desde 2017 que lança música enquanto artista solo no Subcontinental Records, Creative Sourcer, Lovers & Lollypops e Otomatik Muziek. Em conjunto com os seus saxofones, Julius usa técnicas de respiração extensas, cornetas feitas por si e electrónica. Já actuou com grandes conjuntos como os The Dorf, The Blue Shroud Band e os London Jazz Composers Orchestra e criou várias bandas como Das Behälter Jupiter, About Angels And Animals, Paisiel e Ikizukuri.

    Zbigniew Kozera trabalha na área da música orgânica, improvisação livre e jazz com foco na música tradicional. Virtuoso na sua natureza, Zbigniew testa os limites do agudo ou suave do seu contrabaixo; adicionando o “sub-saharan guimbri”, usado na música ritualista da Gnawa ao seu reportório. Omnipresente no panorama de jazz avantagarde polaco da última década, tornou-se parte de bandas como Into the Roots, Sundogs, Wschód, Rybicki Kozera, Power of the Horns, Dominik Strycharski Core e Queented.

     

     

    + informação
  • Viagens Sonoras

    On: 03/23/2022
    In: Concertos
    Views: 0
     Like

    Viagens Sonoras na Oficinas do Convento

    14 de Abril 2022 | 21h

    Oficinas do Convento, Montemor-o-Novo

    Reservas para comunicacao@oficinasdoconvento.com – 5€ (contribuição para o artista)

    Jantar + concerto: 12€

     

    posterMiguel A. García ( aka xedh )

    Activo há mais de duas décadas, Miguel A. García tornou-se uma referência na música experimental e na arte sonora, tanto pelo seu trabalho como compositor como pela sua trajectória na cena da improvisação electroacústica. Ambos os campos em que ele trabalha habitualmente com sons extraídos de dispositivos electrónicos, frequentemente inter-relacionados com gravações de campo ou instrumentos acústicos.
    De Bilbau, Miguel A. García fez uma extensa digressão pela Europa, América e Ásia, actuando em locais como o Issue Project Room em Nova Iorque, o Centro Nacional de las Artes na Cidade do México, o Ftarri em Tóquio, o Centro Cultural DOM em Moscovo, a Église Saint-Merry em Paris ou o Auditório Nacional de Música em Madrid. Colaborou também com artistas como Jean-Luc Guionnet, Seijiro Murayama, Alfredo Costa Monteiro, Francisco Meirino, Francisco López ou Ibon RG, bem como dirigiu, organizou e fez curadoria de eventos e festivais como o Zarata Fest, o programa Hotsetan em Azkuna Zentroa ou o mítico e extinto Club Le Larraskito, o qual fundou.
    Actualmente centrado no seu próprio trabalho de composição, Miguel A. García faz parte da Dopelganger, com o acordeonista Garazi Navas, e está a trabalhar na série de peças ‘Eraeran’, com vários artistas de Euskadi. Colaborações laterais, a sua discografia oficial e solo excede dez álbuns e representa um trabalho extenso para mergulhar. As peças de García têm uma morfologia envolvente que pertence à sua natureza vanguardista – devido a processos experimentais que ele documenta e recompõe, para depois ser novamente interpretada – mas delas permeia sempre um convite atraente e íntimo à auto-sugestão durante a nossa escuta, o que nos leva ao sublime.

    Link 

    Link

    Link

     

    IbonRg

    Oriundo da região de Margen Izquierda em Nervión, Ibon RG (Sestao, 1978) tem estado activamente envolvido na cena musical indie e experimental local em Bizkaia como promotor de concertos (Kafea eta Galletak), produtor, compositor(Mursego, Manett, Xabier Montoia, etc) e, o mais importante, músico. Ao longo de quatro álbuns lançados com a sua própria banda, Eten, bem como no seu projecto sobre improvisações vocais, Gargara, IbonRG tem vindo a tecer um repertório que se destaca pela sua forte mensagem e entrega visceral e intimidante. Uma obra que também tem dois álbuns de estúdio com o seu próprio nome. Um primeiro, chamado ‘Hil zara’ (2019), e um segundo com Enrike Hurtado, chamado ‘oMOrruMU baMAt’ (2021), que se baseia na obra de Joxan Artze.
    Ao utilizar uma linguagem própria precisa que por vezes se aproxima do abstrato, Ibon recita uma colecção de poemas que é simultaneamente contida e solene e, acima de tudo, comovente. Ibon faz uma incursão numa dimensão simbólica onde, como se a sua canção tivesse o propósito de expor o embuste através do qual o tempo é racionalizado, o poeta nele tenta descodificar os cálculos que utilizamos para o medir. As suas palavras apontam e realçam, e nós leitores e ouvintes fazemos na natureza um reflexo deformado da memória.

    LINK

    LINK

    LINK

     

    + informação