• Exposição “Um tempo, uma direção” na BREVE MENTE – Galeria de Rua

    On: 06/19/2017
    In: Cidade Pre0cupada, Exposições
    Views: 0
     Like

    “Um tempo, uma direção”

    João Rolaça

     

    Fotografia digital

    Impressão a jacto de tinta

    dimensões várias

    2017

    brevemente_JR_CPColeção de imagens recolhidas nos últimos anos em ocasiões diversas. Procuram um olhar estético sobre ocasiões de libertação e interação humanas numa exploração visual espontânea e sedimentada na confiança entre amigos. A constância cromática une as imagens e cria uma viagem narrativa que materializa o olhar e experiência do autor com a cidade e as pessoas.

     

    + informação
  • Cuckoo Clocks / Memórias de uma Clavícula

    On: 06/18/2017
    In: Cidade Pre0cupada, Exposições
    Views: 0
     Like

    CIDADE PRÉOCUPADA

    Inauguração de exposições | galeria municipal | 21 junho (visitáveis até 22 Julho) | 21:30

    cuckoo-clocks-2017
    logo

    imagem IIMemórias de uma clavícula (e as histórias dos vizinhos)

    de Liliana Velho

    A clavícula tem uma irmã gémea e sempre se deram mal. Uma é de esquerda e a outra de direita. Ambas se apaixonaram pelo esterno, que nunca quis saber delas, porque tem um harém de costelas.

    A clavícula é um osso que nos desenha o peito, que faz o enquadramento da caixa torácica. Dentro desta caixa vive o coração e tudo o que cabe dentro dele. Partindo deste órgão e do poema “ O amor bate na aorta” do Drummond de Andrade, desenha-se uma exposição.

    Aqui o corpo faz-se paisagem. Pernas pés, seios e braços constroem um cenário de fragmentos, onde o vazio entre eles é o que nos informa do que realmente está lá.

    Este é também um trabalho de investigação sobre o desenho na escultura e experimentação de diferentes pastas cerâmicas e como estas matérias se podem unir e modelar juntas.

     

    + informação
  • Exposição “Monfurado” na BREVE MENTE – Galeria de Rua

    On: 06/12/2017
    In: Exposições, Projectos
    Views: 0
     Like

    Monfurado

    de Tiago Fróis

    >> 12 a 18 de junho

    (Carreira de S. Francisco – Em frente às antigas piscinas )

    13Janela para olhar sobre o ponto mais alto do concelho de Montemor-o-Novo, Mina de Monfurado.

    + informação
  • BREVE MENTE – Próximas exposições

    On: 06/05/2017
    In: Cidade Pre0cupada, Exposições, Noticias
    Views: 0
     Like

    BREVE MENTE

    – Galeria de Rua –

    PRÓXIMAS EXPOSIÇÕES

     

    Monfurado

    de Tiago Fróis

    >> 12 a 18 de junho

    Janela para olhar sobre o ponto mais alto do concelho de Montemor-o-Novo, Mina de Monfurado.
    Um Tempo, Uma Direcção

    de João Rolaça

    >> 19 a 25 de junho

    Coleção de imagens recolhidas nos últimos anos em ocasiões diversas. Procuram um olhar estético sobre ocasiões de libertação e interação humanas numa exploração visual espontânea e sedimentada na confiança entre amigos. A constância cromática une as imagens e cria uma viagem narrativa que materializa o olhar e experiência do autor com a cidade e as pessoas.

     

    Noon Walking

    de Nuno Lemos

    >> 26 junho a 2 julho

    Imagens oriundas dum percurso que se concretizam numa Video-Instalação e em Pinturas.

     

    Usar o ponto cego para fazer desaparecer o sol

    de Aida Castro e Maria Mire

    >> 3 a 9 de julho

    Feche o olho esquerdo e fixe o olhar no triângulo. No ponto certo, o sol deve desaparecer. Curiosamente, o cérebro parece preencher o sol desaparecido com o céu circundante.

    Dois elementos heterogéneos lado a lado sobre um mesmo plano permitem pela sua distância confirmar que somos parcialmente cegos, isto é, que existe uma mancha negra na retina que não é fotossensível. Se cruzarmos o olhar na direcção oblíqua, tapando um dos olhos, provocamos um eclipse. A mancha da direita é preenchida por um lastro de informação visual que a absorve num padrão mais ou menos homogéneo.

    Os veículos também têm pontos cegos que escapam à visibilidade do condutor, sendo estes um limite de potenciais acidentes, especialmente nas ultrapassagens e marchas à retaguarda. Para compensar estes lapsos, existe uma gama de espelhos acoplados que permitem uma melhor avaliação da distância em que se encontram os outros a circular, e cuja forma varia entre planos, côncavos ou convexos.

    As imagens preparadas para esta vitrine vertical, partem da (im)possibilidade de estar dentro de uma cápsula repleta de espelhos, a tentar ver melhor em velocidade. A repetição e a sequência afirmam os enganos e os ajustes permanentes da visão na experiência de circulação. Na beira da estrada os pontos de estagnação, esculturas funcionais que a vegetação solidificou, são objectos concretos que suportam qualquer situação entrópica, caso os espelhos venham a falhar.

     

    + informação
  • Cidade Pré0cupada 2017

    Cidade PréOcupada 2017 – IX edição
    14 junho a 9 de Julho – Montemor-o-Novo

     

    cp2017cmúsica, performance, oficinas, teatro, instalações, exposições e associativismo.
    A Oficinas do Convento espalhada pela Cidade!

    VEJA TODA A PROGRAMAÇÃO

    + informação
  • BREVE MENTE – Galeria de rua

    On: 05/09/2017
    In: Exposições, Noticias, OCT
    Views: 0
     Like
    BREVE MENTE
    Galeria de rua –
    ESTAMOS ACEITAR PROPOSTAS!
    BREVEMENTEA proposta surge como consequência de uma espera ao sinal vermelho… momento em que me assalta a vontade de invadir, e convidar a invadir, essas vitrines vazias com ideias, sentimentos, ilusões, poéticas, que transformem essa
    espera num momento de fuga ao quotidiano através de reflexões provocadas pelo que se encontrar nessa “galeria”. (Tiago Fróis)
    O projecto é iniciativa da Oficinas do Convento, em parceria com o Grupo União Sport de Montemor-o-Novo.
    Sai dos criadores para a Cidade e abre um novo canal de comunicação e reflexão colectiva.
    Espaço de instalação gráfica onde cada criador utiliza enquanto “aparelho de exposição” as 36 folhas A4 disponíveis nas duas vitrines.
    Abrimos assim a participação a todos os criadores que queiram projectar para aqui as suas ideias.
    Aguardamos as vossas propostas para oc@oficinasdoconvento.com
    Este projecto está subsidiado pela boa vontade dos artistas e parceiros.

    medidas vitrines

    Para participar:

    – A participação é aberta a toda a população (local, regional, nacional e internacional).

    – A intervenção não deverá exceder os limites das vitrines.

    -A Oficinas do Convento responsabiliza-se apenas pela reprodução de imagens com toner a laser até ao formato A3 a cores ou preto e branco­. Formatos maiores deverão chegar pela responsabilidade dos autores e prontos a instalar, ou montados pelos próprios nas vitrines.

    – Os trabalho deverão chegar em formato digital prontos para impressão com uma definição máxima de 300dpi.

    – Deverá ser respeitada a integridade física do equipamento.

    – Cabe à organização avaliar a pertinência das intervenções, selecionando os projetos a expor.

    – Cada proposta estará patente no mínimo uma semana.

    – A organização não se responsabiliza por eventuais danos decorrente dos envios, intempéries e/ou vandalismo.

    – Os trabalhos poderão ser levantados em sede da associação após o período de exposição. Não é responsabilidade da associação o reenvio da obras para os autores.

    – Devem enviar para o oc@oficinasdoconvento:

    * Esquema de montagem da exposição (ter em conta que dois dos espaços A4 serão ocupados pela folha de sala e pela informação sobre a BREVE MENTE. Assim, no vosso esquema devem contemplar esse espaço)

    * Imagens para impressão com expecificação de tamanho e p&b ou cor

    * texto de Folha de Sala

     

     

     

     

    + informação
  • THROUGH THE MIRROR – Katie Lagast and Marta Castelo

    On: 03/20/2017
    In: Exposições, OCT
    Views: 0
     Like

    A Katie Lagast e a Marta Castelo tiveram uma exposição na Woot – Antuérpia onde usaram os Tijolos do Telheiro da encosta do Castelo.

    Veja aqui um artigo sobre a Exposição

    Katie Lagast and Marta Castelo in WOOT

    THROUGH THE MIRROR

    Anyone exploring the works of Katie Lagast (°1967, BE) and Marta Castelo (°1980, PT) will immediately be struck by the ways each embraces the medium of ceramics.

    Lagast uses it to capture the urban area around her; a drain cover, a part of a cobblestoned street or a concrete traffic barrier on the road. Castelo, for her part, builds objects and installations that reference architecture. Working together for the very first time they have created a site-specific work for (Woot), an art space based in Luchtbal, a neighbourhood in Antwerp (B).

     

    Anne-Marie Poels

    The exhibition space (Woot) is situated on a street corner, with two large windows one on each side and an entrance in the middle. The space is an almost a perfect copy of Castelo’s atelier in Lisbon (P). Lagast explains: “This was such an exceptional coincidence that we decided to work with these parallels between the two locations.” They initiated the work in Castelo’s studio and continued for five more days at (Woot). They thus established an architectural installation that refers not only to the working space in Lisbon but also to the environment of (Woot).

    On a bed of sheets of paper, a stack of unfired bricks has been build. Some have rounded corners, others are rectangular in shape like house bricks, a few have geometrical forms such as cylinders. Most of the stones are cement gray in colour – this is the colour of the clay, which has been excavated at Montemor-O-Novo (P) and used for traditional handmade bricks fired in the local brick factory. “Oficinas Do Convento”, a residency for contemporary artists where Castelo introduced Lagast, works in collaboration with this factory.

     

    Tiled Floor

     

    The pattern formed by the tiles on the floor of Castelo’s studio space was the starting point for this installation. The shape and the dimensions of the rounded-cornered stones are based on the pattern in reverse. The bricks were made with wooden moulds, but Castelo also modelled some objects by hand, including the small the triangular one. The structure can be seen as an inversion of the floor but is not an exact copy of it: it looks as if a landscape has been created using the ceramic elements, perhaps a cityscape with high and low-rise buildings, a higher cylindrical form as a landmark in the middle; perhaps a factory.

    Alice in Wonderland stepped through the looking glass to find a world of pure fantasy. In real life, the mirror shows us images which are both a reflections and interpretations. We look through a mirror to see the fantasy world Castelo and Lagast have created.

     

    Grid

     

    The space and environment of (Woot) is also integrated into the work. The white painted shapes on the wall are based on the lines formed by the sun entering the room during the working process. The grid on the paper floor is made up of lines referencing the pavement outside. This paper floor is cut out on one side and taped together on the other side. A strange anomaly is apparent in the pavement a little before its curve. These peculiarities that often appear in the work of Lagast. She turns the irregularity of a row of cobblestones on the street, for example, into a work of art. This type of interaction can also be found in the work of Castelo, Lagast explains: “She is always accurate in looking for lines and references when she works site-specifically. She integrates them very precisely into her work.”

    ‘Mirrored Spaces’ unveils to the public what both artists have in common: they start with a thorough investigation of the world around them, both being gifted with a particularly keen eye. The result is a magnificent and modest artistic experience. We can only hope that it has not just been a one-off collaboration.

    + informação
  • Regular Line – Catalogo 2016

    On: 12/19/2016
    In: Exposições, Residências
    Views: 0
     Like

    No âmbito da Cidade Pre0cupada 2016, aconteceu a residência Regular Line – Uma residência artística anual que conta com a participação de artistas e designers em maioria eslovacos residentes fora do país.

    Seis eslovacos e um artista checo que trabalharam, colaboraram e viveram em Montemor-o-Novo durante duas semanas foram selecionados através dum convite aberto, considerando a atmosfera, condições e possibilidades técnicas da Oficinas do Convento e toda a cidade de Montemor-o-Novo.

    Catálogo da exposição final da Residência em Montemor-o-Novo

    Artistas participantes:

    Katarína Huda?inová
    Matúš Lelovský
    Viliam Slaminka
    Ján Kostolanský
    Tomáš Roubal
    Dominik Hlinka
    Oto Hudec

    + informação