• A decorrer – Residência Artística «ViverCor – Corabitando»

    On: 05/28/2012
    In: Noticias, Residências
    Views: 0
     Like

    Em S. Cristóvão, aldeia do concelho de Montemor-o-Novo, decorre agora a fase final do projecto de Verónica Conte, «ViverCor – Corabitando». Depois de um levantamento de elementos gráficos realizado pela artista ao longo de Novembro/Dezembro, junto da população, e de uma exposição realizada, segue-se agora o tempo para realizar as pinturas nas casas dos habitantes. Desenhos ou frases escolhidas pelos próprios irão habitar as casas do lado de fora, dando à aldeia novas cores e expressões.

    O projecto faz parte do doutoramento em Design da artista, na Faculdade de Arquitectura|UTL, sob o tema «A Cor na fachada arquitectónica residencial – identidade, cultura e participação pública». Surge na sequência de um ano de trabalho de campo em Buenos Aires, onde tem estudado e acompanhado intervenções nas fachadas da cidade inseridas em projectos de artistas, ou designers, em processos participados, por vezes acolhidos por ONGs ou apoiados pelo Gobierno de la Ciudad (Câmara Municipal).

    Uma vez que esta proposta se materializa na acção da pintura de fachadas, penso que é um factor determinante, para um projecto desta natureza, a sua autorização e acolhimento por parte da autarquia onde se efectuar. Assim, vejo na oportunidade de realizar esta residência um tempo privilegiado de experimentação, onde poderiam ser dados os primeiros passos na direcção de um projecto mais amplo.
    VIVERCOR – CORABITANDO é uma proposta de acção onde num trabalho conjunto com residentes, de uma rua ou lugar, se transforma o espaço público, por meio da pintura de fachadas. Esta pintura é feita sob um conceito-projecto
    em diálogo entre quem propõe e os habitantes. É graças a uma construção participada que é obtida a singularização das fachadas arquitectónicas, é pretendido efectuar uma expressão de habitar, resgatar memórias e conduzir a uma actualização ou desenvolvimento de elementos visuais identitários, dos intervenientes. Os lugares assim transformados podem eles mesmos catalizar novos pontos de partida, para outras acções no espaço público. Num campo mais vasto, esta proposta utiliza e trabalha a arquitectura – a fachada – como lugar de expressão, e lugar estético (Jacques Maquet). Convoca elementos de trabalho criativo, executados pelos habitantes desse mesmo lugar, que no caso de Montemor-o-Novo podem trazer ou antes re-introduzir para a fachada a espontaneidade da arte popular ou ingénua, num projecto participado. Procura assim atender a uma pesquisa estética do encontro, tendo como horizonte teórico os conceitos introduzidos por Nicolas Bourriaud, explorados por Paul Ardenne e entre nós por Marta Traquino. Ancorando-se nos valores do design social e sustentável, defendidos por Ivar Holm e J. R. Ehrenfeld, respectivamente, esbatem-se as fronteiras entre a arte e a vida, procurando abrir portas para um desenvolvimento integral do indivíduo e sociedade. Ao pensar o conjunto de fachadas aproxima-se da construção da paisagem, re-colocando atenção nos lugares e entorno humano, num tempo de desespacialização. Verónica Conte

    Podem consultar-se aqui as propostas e simulações das pinturas que se irão realizar ao longo do mês de Maio/Junho. Mais informações sobre a Residência Artística de Verónica Conte através de oc@oficinasdoconvento.com. 

     

    + informação
  • Voluntariado – Cidade Pre0cupada

    On: 05/08/2012
    In: Cidade Pre0cupada, Noticias
    Views: 0
     Like
    Chamada de Voluntários + informação
  • Call para apresentação de projectos – Vinte Cinco por Um

    On: 04/04/2012
    In: Noticias, Projectos, Residências
    Views: 0
     Like

    No contexto de cortes orçamentais e de muitas dificuldades em continuar a apoiar o desenvolvimento de projectos artísticos, a Associação Oficinas do Convento decidiu pegar o boi pelos cornos e propor o mecenato de artistasAos próprios artistas. Num círculo de artistas interessados em apresentar propostas, que poderão vir de qualquer área artística, cada candidatura é acompanhada por um valor de «inscrição» que permite, depois de acumulado, financiar um projecto vencedor. O auto-financiamento traz consigo auto-gestão: assim, o júri é composto pelos próprios artistas participantes, que serão responsáveis por eleger a proposta vencedora. O valor angariado através das inscrições servirá sempre para garantir o desenvolvimento de um projecto artístico. Por isso, cada participante tem à sua disposição duas opções: desenvolver um projecto artístico ou mecenar o projecto de um outro artista!

    // In a period of deep budget cuts and many troubles in supporting the development of artistic projects, the Organization Oficinas do Convento has decided to take direct action and propose the artistic funding… to the artists themselves. In a circle of artists interested in proposing a project, coming from any artistic field, each application comes with a «entry» fee that will allow, when accumulated, to fund a winning project. The self-funding brings also self-management: therefore, the jury is composed by the participant artists, who will be responsible for electing a winning proposal. The raised amount will always result in the development of an artistic project. So, each participant has two options: to develop an artistic project or to donate for some other artist’s project!

    Mais informação e regulamento // More information and regulation  aqui.

    Ficha de candidatura // Application form aqui (enviar para oc@oficinasdoconvento.com // send to oc@oficinasdoconvento.com)

    + informação
  • Interval0 12 – Workshop de Cinema na Pre0cupada

    On: 04/03/2012
    In: Noticias, Oficinas
    Views: 0
     Like

    Inscrições abertas

    >> 50€ ( 50% pago na inscrição e 50% pago no primeiro dia) Transferência bancária para Oficinas do Convento ou pago nos escritórios da Associação

    Mais informações aqui

    + informação
  • PREGAÇÃO | 5 de Abril | 21h30

    On: 04/03/2012
    In: Espectáculos, Noticias, Residências
    Views: 1
     Like

    Espectáculo resultante da in­vestigação de traços documentais do espec­táculo “A Pregação”, dirigido por João Bri­tes com o Teatro O Bando (1989). Instigado pelas memórias de uma ida ao teatro com a escola na juventude, apresento o trabalho de pesquisa que integra o processo de cria­ção cénica do solo teatral “Pregação”, a estrear em 2012. Utilizando como materiais o texto de encenação, fotografias do espec­táculo, críticas de jornal e de estudantes que assistiram, desenhos técnicos da máqui­na de cena, entre outras fontes, “Pregação” constitui uma evocação que se pretende também afirmar como uma resposta a algumas das indagações lançadas pelo trabalho ao qual faz referência. Trata-se não apenas de re­tomar o espectáculo d’O Bando mas também o texto de Vieira, em vários pontos hoje de novo pertinente. Nesta conferência o pro­cesso artístico é desvelado na sua dimensão de produtor de conhecimentos, ao mesmo tempo que se enceta uma reflexão sobre noções como as de memória e de cultura imaterial, sob a perspectiva das inflexões impostas so­bre estas pelo poder.

    (Alexandre Calado)

    + informação