• A Forma Traduzida

    On: 05/19/2015
    In: Exposições, OCT
    Views: 0
     Like
     Exposição Individual de João Rolaça inaugura dia 23 de Maio às 18:30 na Galeria Municipal de Montemor-o-Novo

    Esta exposição de escultura cerâmica é o resultado da residência artística do artista nas Oficinas da Cerâmica e da Terra/ Oficinas do Convento, durante o passado mês de abril 2015.

    A Exposição estará patente até ao dia 12 de Junho de 2015 no seguinte horário:

    De terça a sexta – das 9:00 às 12:30 e das 15:00 às 18:00

    Sábado – das 15:00 às 18:00

    Encerra Domingos e Feriados

     

    Conheça mais sobre João Rolaça

    1-page-001

     

    “Olhar para baixo é um exercício de memória ou de encontro com o passado, é um olhar arqueológico com intenção de perceber o passado no presente. A terra liga-se portanto às questões do Tempo nas suas múltiplas escalas e ordens de grandeza.

    Deste modo, posso corresponder o meu trabalho artístico a uma perspetiva arqueológica, por um lado, enquanto ato de olhar para o chão e para a terra, e por outro, enquanto ato de escavar; procurar um outro tempo, encontrar um outro lugar.

    Também me interessa a Cerâmica enquanto tema, talvez por ser um dos vestígios que os arqueólogos mais encontram, por ser uma das maiores portas de entrada para o passado, por ter imagens, formas, coisas que nos transportam para outro tempo, que não vivemos. E, apesar de nem sempre trabalhar o barro para produzir obras, a verdade é que o contacto constante com o material, mesmo quando o faço de uma forma despretensiosa e simples, sempre me interessou e estimulou a pensar e produzir mais trabalho.

    O convite para realizar a primeira residência artística nas novas e ampliadas instalações das Oficinas da Cerâmica e da Terra – projeto da Associação Cultural Oficinas do Convento, em Montemor-o-Novo, que integra o já existente Telheiro da Encosta do Castelo, o Laboratório de Terra e o Centro de Investigação Cerâmica – colocou-me nas mãos o barro e a terra enquanto matéria central do trabalho que iria desenvolver para este contexto. Fiz questão que o trabalho produzido fosse exclusivamente feito de terra cozida. Quis que o material e a sua natureza, a sua plasticidade, as suas qualidades, estivessem no centro da questão. Os gestos que apliquei no barro são uma exploração disso. São os movimentos de tocar, amassar, apertar e esticar. Uma pesquisa escultórica que experimenta e analisa o material de que a Terra é feita para imaginar a geologia de outros corpos mais distantes. Optei então por explorar as potencialidades que este espaço oferece; tirar partido das escalas possíveis, do tamanho dos fornos, o comprimento do meu braço, o peso que consigo aguentar.

    Comecei a cruzar ideias do que vejo na matéria, o que quero e consigo fazer com ela, com a ideia de ver para além dela, tentar entender algo que não vejo nem me está próximo. Usar a arte para traduzir ideias em formas. Ver coisas que nunca vi. Passar do imaginário para o concreto, o palpável e o físico. Por isso me interessa a escultura, por ser um contacto direto, por se colocar entre mim e a realidade. Uma nova realidade criada para que eu veja.

    Neste trabalho, a cerâmica e o barro passaram a media e o gesto arqueológico de olhar para baixo, para um tempo enterrado, foi revertido e passei a olhar para cima, para o espaço aberto e disponível. Interessou-me que desta vez a cerâmica não fosse um veículo para um tempo desconhecido, mas antes para um espaço que, embora incógnito, vislumbro no céu noturno.

    O processo de cozedura a lenha das peças envolve uma fisicalidade que nem sempre é possível com outros processos. Isso, para mim, é um gesto do escultor a relacionar-se com o material: transformar uma matéria em outra, aceitar a transformação, a mudança de cor, de volume, de textura. Tirar partido do inesperado, dos pequenos acidentes, da surpresa que o fogo deixa nas peças, para com isso criar um discurso que se liga ao do desenho. Desenhar é colocar-me num ponto em que não sei o que vai acontecer, de surpresa, de fazer para ver. O fumo a atuar sobre as peças cria manchas que dificilmente se controlam. Apenas a experiência permite saber o que pode acontecer com determinado processo, permite antecipar o resultado, mas mesmo assim é uma surpresa. Este corpo de trabalho vive disso, da minha vontade sobre o material, da minha força transformadora, com a vontade própria do fogo em se manifestar. Esta é a minha fase preferida do processo, construir e montar o forno, alimentar o fogo, tirar partido das possibilidades que ele me oferece e aceitar o resultado. É uma fase de descoberta, de criação com os elementos.

    Para mim, cerâmica é tradução. É a possibilidade de encontrar um discurso que traduz em matéria e forma concretas o que apenas entendo intuitivamente.”

     

     

     

     

    João Rolaça

     

     

    + informação
  • O Quiosque do Castelo está terminado!

    On: 04/09/2015
    In: Noticias, OCT
    Views: 0
     Like

    _MG_8673O Quiosque do Castelo foi um workshop onde se construiu um quiosque com cerca de 20 m2 totalmente em BTC (Blocos de Terra Comprimida). Destinou-se a pessoas com interesse em construção de estruturas Km0 (que utilizem acima de tudo materiais locais), tendo sido aberto a pessoas de qualquer idade e formacção académica.

    O workshop Quiosque do Castelo juntou um grande grupo de jovens maioritariamnete arquitectos de paises como India, Belgica, Alemanha, Italia ou Portugal. Dividiu-se em dois momentos – numa primeira fase em Outubro de 2014 onde foi desenhado o quiosque e construida a primeira parte e numa segunda fase, em Março de 2015, quando se concluiu a construção e acabamentos.

    O objectivo com a construção é que a estrutura sirva de apoio à informação acerca das ruinas da antiga cidade situadas no Castelo, mesmo junto ao Quiosque. Esperamos pela vossa visita!

    Conheçam todas as fases do projecto , Vejam as fotos do take#1Vejam as fotos do take #2

    + informação
  • TRANSUMÂNCIAS – Regina Rodrigues

    On: 03/23/2015
    In: Exposições, OCT
    Views: 0
     Like

    convite Regina Rodrigues frenteInauguração 28 de março – 18:30

    Galeria Municipal de Maontemor-o-Novo

    Esta exposição estará patente até ao dia 17 de abril de 2015 no seguinte horário:

    de terça a sexta das 10:00 às 12:30 e das 15:00 às 18:00

    sábado das 15:00 às 18:00

    Encerra domingo, segunda e feriados

    CATALOGO REGINA RODRIGUES

    esta exposição tem o apoio à programação da Oficinas do Convento

    + informação
  • Terra e Tijolo : um processo de transformação

    On: 03/18/2015
    In: OCT, Projectos, Residências
    Views: 0
     Like

    Filme Documental
    TEC – 2014

    Produção e Iniciativa: Associação Cultural Oficinas do Convento
    estrutura financiada por: Governo de (mais…)

    + informação
  • O Mestre e o Telheiro

    On: 03/18/2015
    In: Cidade Pre0cupada, OCT
    Views: 0
     Like

    Residência Novas Formas, 2014
    Ana Escobar, Projeto em Aberto – Forno à Inglesa
    Entrevista ao mestre Bernardino
    Oficinas do Convento, (mais…)

    + informação
  • Projeto em Aberto – Forno à Inglesa

    On: 03/18/2015
    In: Cidade Pre0cupada, OCT
    Views: 0
     Like

    Residência Novas Formas, 2014
    Ana Escobar, Projeto em Aberto – Forno à Inglesa
    Oficinas do Convento, Telheiro, Montemor-o-Novo

    Produção (mais…)

    + informação
  • Novo espaço do projeto Telheiro

    On: 03/17/2015
    In: Noticias, OCT
    Views: 0
     Like

    Inauguração das Oficinas da Cerâmica e da Terra, Arte e Arquitetura

    Após um investimento de 114.740 € no Telheiro da Encosta do Castelo e antigo edifício dos Lavadouros do Bairro de S. Pedro em Montemor-o-Novo, apresentou-se ao público no dia 8 de Março o resultado deste projeto desenvolvido pela Oficinas do Convento e financiado pelo PRODER, em 60%, e pelo Município de Montemor-o-Novo, em 40% .

    O Telheiro conta com um longo historial de atividades e projetos desenvolvidos no âmbito da Cerâmica e Arquitetura. Nos últimos anos a atividade tem se centrado na produção de tijolo-de-burro e tijoleira de forma artesanal e na investigação e desenvolvimento de materiais em terra crua, paralelamente à continua formação e pesquisa de novas formas artísticas ligadas à escultura e design.

    O investimento realizado permite dotar o Telheiro de novas funcionalidades ou melhorar as condições existentes, únicas em contexto nacional, e por isso, também uma nova denominação: Oficinas de Cerâmica e da Terra, Arte e Arquitetura. O espaço dos antigos lavadouros foi convertido por forma a albergar atividades se centraram no trabalho de escultura, produção de revestimentos cerâmicos para arquitetura, bem como acolhimento de residências e formação artísticas. Foi possível montar o Laboratório de Terra permitindo reforçar a atividade para a investigação e desenvolvimento dos materiais em terra crua, como a taipa, adobes e BTC (bloco de terra comprimido).

    Todo este projeto assenta na utilização de recursos locais, métodos artesanais e a aposta no cruzamento transdisciplinar de ideias que contribuem para a sustentabilidade do próprio projeto, e dos seus produtos. A experimentação está na base deste espaço como forma de desenvolver novas ideias e novos materiais ou objetos, originando atualizações contemporâneas de processos e técnicas vernaculares.

    Por forma a garantir uma qualidade de excelência dos nossos produtos e atividades, para além da parceria com o Município de Montemor-o-novo, e com a Marca – Associação de Desenvolvimento local, contamos com outros parceiros ao nível do ensino superior e investigação: Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, Faculdade de Arquitetura da Universidade de Évora, Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, Instituto Superior Técnico, VICARTE e Laboratório Hércules.

    Saibas mais sobre o Telheiro aqui

    + informação
  • Oficina Quiosque do Castelo

    On: 03/17/2015
    In: OCT, Oficinas
    Views: 0
     Like

    OPthkP0xMsOZO5k_2SUchexOH8lSqlHuZv20w_eCW-dbXtFu1rASt-RFZmeQpWXSIg1o-p2jGAn_sAhwX78H082ZL7QT8-WZWnv1x0fqdmD5PSwBYuJomk9nWsEeRQXWE6j-yY3UawR-uJ-9NPQdpIcAEphJH60h8tzMB7z-1iE9yggTL5tTVpPJOalddXlKZ6rnIivcPJqvuQ-MDmgVKxq-a7hk7-B8n Oficina de teoria e prática de construção em terra crua aplicada aos Blocos de Terra   Comprimida (BTC). Teoria e construção de um arco no Quiosque.

    //Workshop Theory and Building with CSEB. Theory and Building an arch in the Castle’s Info Kiosk.Inscrição//Fee
    Incluindo Alojamento// Accomodation includedaté//until 15.02.2015 – 175€
    até//until 15.03.2015 – 200€
    desconto//discount
    Estudantes e desempregados//Students and unemployed
    até//until 25.02.2015 – 95€
    até//until 25.03.2015 – 125€

    Acompanhe o Quiosque do Castelo aqui
    inscrições:
    telheiro@oficinasdoconvento.com
    oc@oficinasdoconvento.com
    266899824
    + informação