ANTEZ na Oficinas do Convento

pt

Performance ANTEZ na Oficinas do Convento

14 de Fevereiro 2019 | 21:30h

Oficinas do Convento

Contribuição à porta para o artista

 

CartazA base desta performance é tocar as compreensões da estrutura ressonante da sala, esculpindo, todas as vezes, um novo acordo com a sua singularidade arquitectónica. O conceito da performance mantém-se mutável até ao fim, usando exclusivamente procedimentos acústicos e métodos de produção que são gerados pelos movimentos do corpo do artista.

A sua primeira inspiração para produzir um som contínuo com um instrumento de percussão desenvolveu-se a partir de um processo de investigação das qualidades acústicas do espaço da performance. Recolhe vários objectos e instrumentos durante as suas tours, e no seu meio de trabalho adaptou a peça para ser tocada num tambor de grande volume, que é usado como um amplificador de vibração. O artista desenvolveu uma afinidade íntima com os materiais em vibração já que tem de avaliar as vibrações no seu corpo a níveis distintos para que consiga coordenar as suas posturas e movimentos, e dessa forma pô-los em vibração. Para dar vida a estas vibrações, o artista tem usado, desde 2008, circunvolução.

O seu som é muitas vezes comparado a determinados sons produzidos por sintetizadores. No entanto, os seus sons acústicos dependem da qualidade reflectora dos espaços circundantes e no volume da própria performance.

 

en

Performance ANTEZ in Oficinas do Convento

14th of February | 21:30h

Oficinas do Convento

Contribution at the door for the musicians

 

CartazThe basis of this performance is to play the sympathies of the room’s  resonant structure, sculpting each time a new agreement to its architetural singularity. The concept of the show remains mutable untill the last moment, using exclusively acoustic procedures  and methods  of production which are generated by the movements of the artist’s body.

His  first   inspiration   to  produce  a  continuous  sound   with  a  percussive   instrument   evolved   through  an  investigative  process  of  the  acoustic qualities of the performance space.  He picks out various objects  and  implements over his travels tours, and in his working residency, he  has  adapted  the  piece  to  be  played on a  large  drum, which  is  used  as  a  vibrational amplifier.  He developed  an  intimate  affinity  with the  materials  in  vibration.   He  has  to evaluate  these  vibrations  in  his  body  at  different  levels,  to  be able  to  coordinate  his  postures  and movements,  and  thus  put  them  in vibration.  To give  life to  these  vibrations  he  has  been using,  since 2008,  circumambulation.

His sound  is often compared  to certain  sounds  produced by synthesizers. However,  his  acoustic  sounds depend on the reflective quality of the surrounding surfaces, and on the volume of the performance space itself.

Comments are closed.