Concerto Wu Tiao Ren

Festival This is My City apresenta o concerto Wu Tiao Ren

8 de Setembro 2019

18:00h

Oficinas do Convento

 

PrintWu Tiao Ren

Em 2008, três habitantes de Haifeng, um bairro da cidade de Shantou, na província de
Guangdong, juntaram-se e formaram a banda Wu Tiao Ren. A estes viria a juntar-se um
baterista e desde então este quarteto não parou de tocar. Amao e Renke lideram a banda
e cantam no dialeto de Haifeng e em mandarim.
As suas composições versam sobre as vidas de marginais na China: um voyeur solteirão
que passa horas a ver operárias a entrar e sair de fábricas, um ciclista que passeia um
porco, um vendedor de divisas no mercado negro, um jovem revolucionário de Haifeng
assassinado por Chiang Kai-shek em 1929.
Marcado pela influência da ópera local e canções de pescadores, a sonoridade desta
banda chinesa incorpora ainda gravações das ruas da cidade, buzinas de autocarros,
ruídos de motorizadas e encenações de discussões entre vizinhos.
“As canções devem muito ao folk rock dos compatriotas das grandes metrópoles do
Norte, dominantes na cena underground chinesa. Contudo, o acordeão de Renke invoca a
verve preguiçosa do sul subtropical, enquanto cada refrão é cantado com uma convicção
que os afasta da melancolia dos cantautores de Pequim. Os roqueiros do Norte gravitam
para Pequim a partir das paisagens do deserto de Gobi ou das pradarias da Mongólia
Interior, terras duras e com clima rigoroso. Os hinos cantados pelos Wu Tiao Ren são
solarengos e os temas mitológicos do litoral conjuram um mundo de deuses do mar e
pescadoras quixotescas”, escrevia o The Wire, a propósito da banda chinesa.
É a segunda vez que a banda chinesa atua fora da Ásia, após uma primeira experiência
em São Paulo, Brasil, no final de 2018, também promovida pelo TIMC.

 

 

 

 

 

 

This is My City

O festival This is My City nasceu em Macau, em 2006, mas redesenhou-se anos depois e
deu os primeiros passos para integrar o Delta do Rio das Pérolas numa rede criativa,
promovendo a cultura lusófona na região. Em 2018, o TIMC teve lugar em Zhuhai, Shenzhen, Macau, e terminou em São Paulo, Brasil. Este ano, o TIMC estende-se a
Portugal.
O cofundador do TIMC, Manuel Correia da Silva, afirma que a ideia de expansão a Portugal surgiu na sequência de um convite da Casa da Música, no Porto. “Achámos que
seria um ótimo pretexto para, pela segunda vez, voltar a Portugal, de uma maneira mais graúda e sólida, com a banda Wu Tiao Ren e o projeto NOYB, e com um programa mais alargado de datas onde poderíamos estar presentes”, destaca, acrescentando: “As expectativas são bastante altas, porque acreditamos que o formato que vamos apresentar e os sítios podem garantir um maior alcance em termos de audiência, mas também uma melhor experiência para os artistas convidados que vão estar envolvidos nesta tour.”

Comments are closed.